sexta-feira, agosto 31, 2007

Vinte e poucos anos..

Blog parado. Computador quebrado. Saco cheio.
Depois de um longo e tenebroso inverno, volto a escrever. Ainda com resquícios do inferno astral que me acompanhou nessa temporada do Sol em Leão, mas que está prestes a chegar ao fim.. um novo ano astral começa.
E como de costume, tenho que fazer meu post de aniversário.

Era setembro. O ano, 1986. A moeda era o cruzado. A ditadura chegava ao fim. O presidente era José Sarney. Estreava o programa Xou da Xuxa.Os garotos do New Kids On The Block lançaram seu primeiro álbum A Argentina ganhara a copa do Mundo. Morre Jorge Luis Borges. E eu nasci.
Desde então, passaram-se 21 anos..
Hoje já não sou mais aquela menina de cabelos loiros e cacheados que dançava a Lambada. Legião Urbana não existe mais e a Argentina não ganha mais a copa do mundo. E a Xuxa insiste em fazer programas infantis!
E..apesar das mudanças, o que somos nós, senão a nossa memória?

A memória. É lá que estão os fatos. Os acontecimentos. Aqueles inesquecíveis, como o presente esperado da infância. Aqueles dispensáveis..como.. aqueles dispensáveis. Aqueles dolorosos... porém, necessários. É lá que estão as imagens. As dores. As pessoas, os olhares, os sorrisos, as sensações... É através da memória que presentificamos o passado. É juntando os pedaços do que fomos, que contruímos o que somos.

Estou numa fase que me faz pensar muito no que sou, no que fui.. 21 anos, segundo alguns aparência de 23, 24..quatro pontos na carteira..(tinha um radar no meio do caminho...) alguns fios de cabelo branco, algumas desilusões, um diploma na ponta dos dedos (quatro ano de faculdade pra isso..). E agora, José? Um mundo de gente grande pela frente, e uma vontade enorme de jogar tudo pro alto, abrir um cheetos de queijo e passar um segunda feira inteira assistindo desenho animado.

Ainda bem, que em meio a esse mundo infinito chamado memória, existem algumas pessoas que estão tão presentes que são partes de mim. Assim como os dedos, os pés, o coração. E que nunca me fizeram sentir sozinha. Tamo junto, sempre, é nóis! rs

terça-feira, agosto 14, 2007

uou..

"Vênus e Saturno unidos ainda uma ultima vez antes que o planeta da experiência deixe Leão: isto é sinal de que você ainda tem uma chance de se libertar de culpas e remorsos, de amores passados, ilusões que precisam ser deixadas para trás. Agora é preciso criar um vazio, um espaço sem desejos."

(...)

domingo, agosto 12, 2007

Obrigada!


Pelo colo, pelos olhos, pela palavra, pela bronca, pelo castigo, pelo riso, pelo abraço, pelo nariz (?), pelo ar sossegado, pelos domingos de sol no clube, pelas conversas depois do jantar, pela compreensão, pela torcida, pelo orgulho, pelas lições de matemática, pelas lições de vida, pelas palavras, pelo silêncio, pela ausência, pelo exemplo, pelas danças, pelas piadas, pelas frases mais apropriadas, por me ensinar a viver o presente, a gostar de Queen. Por me entender mesmo sem entender. Por não perguntar. E por amar, sempre!!!
Do nosso jeito, a nossa maneira, nos amamos, muito!
E acho que esse foi o nosso melhor dia dos pais!!!
Pai, eu te amo!!

sexta-feira, agosto 10, 2007

Lendas


Esse post é especialmente dedicado a minha parceira, culiega, Kiers for fears..
E ela vai entender porquê...

Não sei bem o que anda acontecendo com o meu nível de sanidade mental, o fato é que ele não está lá muito alto.
Tentei buscar algumas explicações, mas.. como explicar o fato de uma pessoa abrir o guarda chuva dentro da balada ao som de Umbrella?
O que justifica alguém ver um cara vestido de batman no meio da festa e se juntar a ele para dançar???
Seria possível encontrar motivos pra você pegar o celular e ligar para as pessoas pela madrugada? ou pior, deixar o desconhecido pegar o seu celular e falar com a sua amiga??
enfim, dentro de um certo dialeto, essas atitudes são denominadas: lendas.
Ou, segundo outra definição, a explicação é simples - o mais legal de ir solteira ou sozinha na balada é poder pagar micos!
Pra mim, isso tudo se chama apenas: felicidade! :)
e um pouco de falta de noção tb... rsss


Antes que perguntem, sim, rola um alcool pra ajudar mas.. não vou usa-lo como refugio!
Sou insana, gosto de atitudes insanas..pq.. como diz Guimaraes Rosa: Aqui, ninguém é louco. Ou então, todos são.

domingo, agosto 05, 2007

I wait..


"Il faut bien que je supporte deux ou trois chenilles si je veux connaître les papillons"

(Saint-Exupery, Le petit Prince)

É preciso que eu suporte duas ou três lagartas se eu quiser conhecer as borboletas.

(...)

sexta-feira, agosto 03, 2007

Por falar em nostalgia..


"Em verdade, dezoito anos* depois, se mudaste muito, não mudaste nada. Pelo menos, quando distante de ti penso como és, vou somando imagens infinitas do mesmo rosto que se justapõe não ao que tens tido, mas ao que me habituei a tomar como primeia visão inicial: aquele rosto de quando tinhas duas semanas** e, brincando com o sol, riste ao segurar uns raios dele com a mão rechonchuda." (Carta a minha filha em prantos, José G. Vieira)"


*ps.: tá, eu sei que não tenho mais 18 anos
**eu tb não tenho duas semanas nessa foto..

E mesmo assim, não deixa de fazer sentido.
Isso é literatura!

quinta-feira, agosto 02, 2007

É um lindo dia!


"What you don't have you don't need it now
What you don't know you can feel it somehow..
What you don't have you don't need it now..
Don't need it now.. It was a beautiful day.."

(Beautiful day, U2)


Depois de longos dias de chuva, frio e de um certo ar melancólico, decidi que hoje traria um ar mais otimista para esse blog.
Sem nenhum motivo aparente, apenas por estar em paz. Depois de uma tarde com pipoca, coca cola e Dirty Dancing, acho que só poderia mesmo era trazer otimismo. As comédias românticas e outros filminhos do gênero costumam me irritar. Na hora, eu até gosto, afinal, são filmes que podemos perder as falas, nos distrair e não nos angustia porque o Happy ending é garatindo! Mas depois.. me cansa tanta alegria! como se tudo pudesse ser como nos filmes, dependendo apenas das nossas escolhas..
Porém, Dirty Dancing é uma excessão. Nunca me irritou. Sempre gostei! E todas as inúmeras vezes que assisti, quando acaba eu estou bem, feliz e sapateando pela casa "You're the one thing, I can't get enough of..So I'll tell you something, this could be love because now I've had the time of my life, no I never felt this way before! Yes I swear it's the truth and I owe it all to you.."
Além do mais, coincidentemente, esse filme me remete a uma fase da minha vida que foi muito boa!! Lembro-me dos meus dezessete anos, eu estava começando a ir pras baladas, e, diferente das meninas da minha idade, eu adoraaava flashback! Nossa balada favorita era a Jet set, justamente porque tinha um ambiente exclusivo para os flashbacks, acho que eu era a pessoa mais nova daquele lugar, e eu me divertia como se revivesse aquela época! Era 15 reais de consumação, nós íamos, tomavámos uma caipirinha e o restante ou virava pizza no final da noite, ou ia para o Carlos, que fazia o favor de nos levar de tiracolo pras baladas.
Naquele lugar, eu dancei, cai na pista, aprendi a tomar tequila, conheci gente de vários lugares, comemorei minha aprovação no vestibular, meus 18 anos, dei risadas, chorei no lounge, segurei choros. Putz..quantas histórias!!!
Sempre me achei madura.. mas hj, olhando pra trás, percebo quanta coisa mudou!!! E quanta coisa não mudou. Lembro de coisas que hoje não faria mais! E vejo outras, que continuo fazendo mesmo com todo o tempo que passou..
Já não escuto flashback como antes, mas ainda gosto. Já não tomo mais caipirinha na balada, aliás.. pouco vou às baladas. E se tenho que chorar, guardo as lágrimas pro travesseiro. Mas ainda tem em mim muito daquela menina que falsificava o Rg pra ir pra balada. E agora, perto dos meus 21 anos, bate aquela nostalgia.. mas uma nostalgia gostosa!!! De que valeu a pena, de que se eu pudesse voltar atrás, faria tudo do mesmo jeitinho!! E que, de fato, foi a melhor fase da minha vida!!!
Daqui uns anos, quero olhar pra trás de novo e ter essa sensação novamente. E quero ainda ver em algumas atitudes os traços daquela Sue Ellen "only seventeen, young and sweet", aquela que mesmo sabendo o final, torce pelo mocinho e pela mocinha, ainda que escondido, lá no fundo, sem que ninguém veja. Quero ver o mundo sem perder as minhas esperanças nas pessoas que conheço e gosto. Quero acreditar pra sempre, que o bem que fazemos aos outros é recompensado com atitudes e ações sinceras. Quero acreditar que não é possível eu me enganar tanto assim.. e que, ainda vou entender essas interrogações que rondam minha cabeça, afinal.. é um lindo dia! E..o que vc não sabe, você pode sentir de alguma maneira, não é mesmo?
Ocorreu um erro neste gadget