sexta-feira, novembro 07, 2008

Felicidade?!?

Lóri estava suavemente espantada. Então isso era a felicidade. De início se sentiu vazia. Depois seus olhos ficaram úmidos: era felicidade, mas como sou mortal, como o amor pelo mundo me transcende. O amor pela vida mortal a assassinava docemente, aos poucos. E o que é que eu faço? Que eu faço com a felicidade? que faço dessa paz estranha e aguda que já está começando a me doer como uma angústia, como um grande silêncio de espaços? A quem dou minha felicidade que já está começando a me rasgar um pouco e me assusta. Não quero ser feliz. Prefiro a mediocridade.
(O livro dos prazeres, Clarice Lispector)

Quando era mais nova não gostava de ler Clarice. Não gostava porque eu não entendia. E na verdade, ainda não sei se entendo. Ou melhor, sei. Não entendo. Não é para entender. Vc passa a entender Clarice quando vc sente. Parece uma frase "emo", mas é assim que eu encaro a literatura da Lispector. É algo que vc lê, e não consegue guardar pra vc, quer compartilhar, quer discutir, entender... e isso acontece porque ela penetra a fundo no ser humano. Ela teve a coragem de escrever o que todo mundo sente.
Todos nós já fomos como a Lóri em algum momento (senão em vários). O ser humano não gosta de ser feliz, é só ele se sentir feliz e já busca um outro motivo para se chatear. A velha disputa do "quem sofre mais". É mais louvável ser sofrível, ser feliz não é interessante. Todos dizem ser felizes, estarem felizes.. da boca pra fora, na primeira brecha que têm, buscam a mediocridade, algo que os faça querer mais. Mais felicidade.. Esta não está boa. Esse é o vazio.
Fala-se tanto em buscar a felicidade, procure o que te faz feliz, faça o possível pra ser feliz... e, será que ninguém nunca se perguntou se essa busca é eterna? Afinal, nunca ouvi alguém dizer: "Ah, agora sim, estou feliz, não preciso de mais nada." Só vejo pessoas dizendo incessantemente que estão buscando ser felizes..
Creio que todos sintam como a Lóri, na hora que se dão conta de que encontraram a felicidade, sentem um vazio. "E agora?". O que fazer com essa felicidade.. "tá e aí?". E por não se contentarem com ela, vivem na mediocridade, na busca de uma felicidade que não existe, que está sabe-se lá onde, inalcansável.
É difícil assumir as fraquezas humanas. Uma vez que são tantas! E muitas vezes, tão fúteis. Por isso que ler Clarice dói, porque ela fala. E vc se reconhece, mas não quer se reconhecer. Prefere continuar no "jogo do contente".. vestindo as máscaras que nos escondem de nós mesmos.

7 comentários:

Diegovj disse...

Ter coragem para falar aquilo que tá guardado, desde aquele sentimento escondido até a maior das futilidades é uma qualidade encontrada em poucas pessoas...

Tá faltando sinceridade nesse mundo.

Bjos!

Érika disse...

Como vc diz, deliciosa e dolorida a literatura de Lispector! E excelente a sua reflexão!
Bjs!

Jão disse...

Como foi dito antes, coragem...coragem de se entregar ao "ricidulo" para não ser o maior dos "ridículos" como diz Álvaro de Campos...Felicidade, utopia? Lenda? ...??? ...Quer ou não, somos seres, e é da natureza do ser procurar viver da melhor maneira possível...mesmo não sabendo...ai ele vai aprendendo...Adorei a reflexão de ontem. Ótima aula...

Bjão

Michele disse...

O importante é descobrir que ser feliz não é o estado em q tudo na vida dá certo pq nunca dá. Ser feliz é estar de bem consigo mesmo, é conseguir conviver com os problemas e com as coisas boas tudo junto.
Nas coisas q eu já li da Clarice, bem, ela escreve coisas bem amargas, mas são reais, e a realidade é feita de coisas amargas e doces...não tem essa de todo mundo só se dando bem pq isso não existe, e ela passava isso pro papel...

« grands ¥eux disse...

não se preocupe em entender (Clarice, felicidade, mediocridade); viver ultrapassa qualquer entendimento - dizem.

Du Santana disse...

As mascaras dão um conforto imenso p/ nós. O que não é perceptivél é a corrosão que essas mascaras causam em nossas vidas ao longo prazo.
O fato de nos ocuparmos tanto em tentar mudar a dor olhando para a dor ( ou a solidão, desespero, ódio...) faz agente ficar que nem bobos quando "encontramos" a felicidade. Sem saber o que fazer agora.

heheh, Sabe? a felicidade é que nem o Chuck Norris em seus filmes vc nunca enmcontra ela, ela é quem encontra vc! ahhahah ñ acredito que falei isso! ^^)

té mais! ^^

Du Santana disse...

Esse foi um dos melhores textos que li em um blog!

tow sem conseguir encontrar os caminhos gora...

Ocorreu um erro neste gadget