sexta-feira, outubro 01, 2010

Quanto vale o seu sonho?

Quando eu nasci, um anjo meio desastrado, desses que dormem no ponto disse: Vai, Sue Ellen, ser professora na vida.


É, eu acho que ser professora pra mim é mais do que uma escolha. É destino. Vocação. Desde pequena, eu já gostava de fingir que ensinava. Desde que pisei a primeira vez em uma sala de aula, não sai mais. E assim, creio que não foi por acaso que eu passei naquele vestibular de 2004 para um curso que na época eu nem sabia direito do que se tratava. 
Não foi pra ser professora que eu prestei Letras, mas com certeza,  o curso de Letras me fez professora. Quando comecei a estudar todas aquelas teorias de aquisição de linguagem, preconceito lingüístico, análise do discurso, autonomia, autoria.. enfim, percebi que eu queria SIM ensinar.
E cá estou, desde 2005, quando comecei com algumas substituições até hoje, que tenho minhas aulas e turmas. Eu já imaginava que não era uma escolha fácil. Nada é fácil, de fato. Mas quando se fala em Educação, no Brasil, a situação é bem complicada.
No ensino público, temos salas lotadas, professores mal pagos, falta de infra-estrutura. Além dos problemas sociais que envolvem a vida de cada um dos alunos que fazem parte da comunidade. No ensino particular, a queda da estrutura familiar, a falta de regras, objetivos, a obsessão com o mundo mercadológico, a obrigação dos vestibulares, a empresa que se confunde com a escola.
São inúmeros os desafios de quem tenta trabalhar pela educação, e quem convive com isso dia a dia, sabe melhor do que ninguém.
Então, por que será que tantos profissionais de tantas outras áreas que se acham expert em Educação? Ninguém leva a educação a sério, a ponto de nem mesmo compreender que existe um estudo, uma teoria, uma pesquisa, como acontece em outras áreas da ciência. Assim, médicos, advogados, engenheiros, empresários.. enfim! todo mundo sabe dar palpite em alguma coisa! E julgam falho todos os trabalhos feitos por aquele que "entendem" de Educação.
Eu jamais tentei dizer a um médico o que ele deve fazer, se ele está certo ou errado. Nem disse a um engenheiro que ele está usado o método errado, que é "papo furado" as teorias que ele defende. Mas eu já ouvi engenheiros tentarem me dizer o que era melhor fazer. E muitas vezes.
Isso é reflexo da completa desvalorização do profissional da educação. Ninguém mais confia no trabalho dele, questionam o seu conhecimento o tempo todo. Testam, provocam. A sociedade como um todo já não acredita mais na educação, e por isso, qualquer outra teoria pode ser melhor. Seja ela sugerida por um engenheiro ou por um açogueiro, afinal, qualquer um pode falar sobre Educação.
Acontece que eu não me formei em qualquer UNIESQUINA (obrigada, Stelinha, por essa expressão! ;) e quando eu falo sobre educação, EU SEI SIM, o que eu estou falando. E o que eu quero dizer é o seguinte: é impossível tratar pessoas como se fossem máquinas. Ter o melhor material didático do mundo, pode não fazer com que seu aluno aprenda. Ele pode ler toda a teoria do material X e você pode explicar tudo de acordo com o material, e ele entender bulhufas. De repente, você começa a contar uma história e tudo faz sentido pra ele.
Eu fiz Letras. Eu sou da áreas de Humanas e sou professora porque eu acredito nisso. Acredito que cada ser humano é único, cada um aprende de uma maneira diferente, e é impossível enquadrá-los numa única metodologia.
Se eu quisesse lidar com máquinas, faria qualquer outra coisa, não estaria na sala de aula. Metade do que te faz seguir em um trabalho e o dinheiro. Outra metade, satisfação pessoal. Quando o dinheiro não é lá muito, rs, é a satisfação pessoal que motiva. E é duro, quando você vê sua ideologia sendo massacrada por profissionais que nem mesmo entendem um pouco do dia a dia de uma sala de aula.Estou então vendendo tudo aquilo que aprendi e conquistei? 

Quer saber? Eu não vou mais me vender. Não mesmo.   

3 comentários:

*Ju* disse...

ARRASOU AMORE! UHUUUUUULLLLLLL!!!

PS: Leio seu blog direto e seu twitter TODO DIA, sabia?? hauahauahua
Bjuss
Saudade!

João disse...

Já sei muito bem o que quer dizer. Estava lá aquele dia e concordo com você. Continuarei do meu jeito em sala, até que não gostem e me troquem...,mas a meneira que acredito, como você. te admiro muito. Parabéns pelo texto.
Beijoooss

Anônimo disse...

O dia dos professores está chegando... e o que falar dela? Suas aulas são "boas como o gosto de vitória, faz nossa imaginação voar alto como o condor, e sua beleza ganha merecido destaque quando ela recita poesias". Por isso e tudo mais, parabéns, de todos nós, querida professora Sue Ellen!

Ocorreu um erro neste gadget