sábado, fevereiro 18, 2012

Eu quis evitar, resistir.. mas não deu.
(ou talvez, eu não o quis com muita verdade)
É uma daquelas ações automáticas
como abrir os olhos, respirar.
Os planos vinham a minha cabeça sem que eu pudesse barrá-los.
Tentei por diversas vezes por meus pés no chão
e focar o olhar ao que eu tinha em mãos.
Mas quando, por descuido, eu fechava os olhos, estavam lá:
as músicas que eu gostaria de oferecer,
as palavras que eu queria lhe falar,
os momentos que eu gostaria que vivêssemos,
as pessoas que eu queria que conhecesse,
os convites que eu queria fazer
os lugares que eu queria te mostrar
os abraços, os beijos, todo o carinho que eu tinha para lhe dar
a vontade que eu tinha de cuidar
sem nem mesmo saber se você precisaria dos meus cuidados,
e o pior: estava lá também
tudo aquilo que eu queria ouvir
que você me dissesse
que você sentisse
a vontade de dar "ao amor mais uma chance, a nós mesmos uma nova chance".
(Como é possível que depois de tudo que já vivi ou passei, ainda assim fosse capaz de querer essa nova chance?)
Fazia meus planos sempre pensando em dois.
Eu e Você.
Tola, me esquecia que era apenas um,
Eu e Eu.
 - como sempre.
Nada havia mudado.

Penso se você gostaria de viver tudo que planejei para nós.
Se seríamos tão bom juntos como eu achei que seria.
Mas tudo não passa de um pensamento..
e o mais duro, o mais difícil, o mais doloroso..
é saber que existe algo aqui dentro
(algo burro e ingênuo)
que espera que tudo mude..
de repente, não mais que de repente,
que os fatos não estejam dizendo que dizem
que seja a exceção
e as coisas sejam como eu gostaria que fosse..
e essa história não se torne mais um "de novo" na minha vida.

"And I wonder when I sing along with you
If everything could ever feel this real forever
If anything could ever be this good again"

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget