domingo, maio 06, 2007

E no meio do caminho.. tinha uma pedra.


Gosto de finalizações. Mas calma lá, não todas. Apenas aquelas que nos dão a sensação de dever cumprido! Por exemplo.
Gosto da sensação de enviar aquele trabalho que tava enroscado há dias. Tá, ele pode não ter ficado lá muito bom, mas.. eu não tinha como fugir disso, então pra que enrolar, não é mesmo?
Gosto de entregar as provas corrigidas e com as notas registradas. Pronto. Passou mais uma fase..
só não me agrada aqueles relatórios que vem depois, ou as notas vermelhas que.. sinceramente, não sei o que fazer para que elas possam "mudar de cor".
Gosto da sensação de sexta feira a noite chegando.
Do dia 30, ou 31.. que anuncia um novo mês, e talvez, uma nova história, ou apenas mais um mês, mas ainda assim, gosto.
Retifico-me então, gosto de cumprir tarefas.
Coisas materiais podem acabar. Não vidas, sentimentos, histórias com "felizes para sempre". Afinal, "felizes para sempre" tem que ser para sempre,oras!
Não gosto de histórias de namoros que acabam.
De brigas definitivas.
De sonhos que não se realizam.
De pessoas que pareciam eternas, e de repente, morrem.
Já sei, com 20 anos eu deveria estar acostumada com algumas "coisas da vida". As vezes, eu me acostumo. Mas.. algumas eu ainda "Não aceito". Dói-me.
Dói-me ver um casal que tem tudo pra ser feliz, mas perde tempo com bobagens. É, bobagens, ciúmes, pirraças, infantilidades.
Dói-me ver uma amizade sincera, leal, de repente..pluft, sumir. De repente todos os momentos de cumplicidade, todas as alegrias, todas as histórias, tudo! simplesmente se perde, e novamente por bobagens. Talvez uma história mal contada, falta de conversa, conflito de egos, não sei. As pessoas não mudam. Elas são sempre do mesmo jeito. E, como pode, de uma hora pra outra vc mudar totalmente de opinião sobre ela?
Dói-me ver sonhos se espatifando diante da realidade... ok, dizem por aí que depende apenas de mim.. talvez eu não tenha feito o suficiente. O fato é que as vezes ele se espatifa. Ou então, se distancia.. assim como os planos, aqueles que a gente faz acordada mesmo, aquelas histórias que a gente cria na nossa cabeça minutos antes de pregar os olhos e elas simplesmente não se realizam. Nunca. Aquelas histórias que criamos, e apenas criamos, em nossas cabeças, e só lá que elas ficam.
Dói-me. Com o tempo passa, acostuma. Sim, eu me acostumo. Mas isso não impede que eu me questione - Por quê?
Não estou triste, não estou revoltada, nem depressiva, porque já aprendi a me acostumar com algumas coisas, mas aqui.. nesse blog, as palavras são meu jeito mais secreto de calar. E então, eu as solto..
Acho que eu deveria mudar a primeira frase desse texto. Detesto finalizações.

2 comentários:

Jão disse...

Sue, alguns acontecimentos são necessários. Faz parte de um equelíbrio universal. O problema é que ainda não conseguimos percebe-los como úteis e construtivos em nossas vidas.
E que você tenha olhos pra ver, os fatos que te engrandecem...você é grande (muitíssimo capacitada), tenha certeza disso, acredine nisso.
Grande bjo

Jubs disse...

lindo Sue! diz tudo o q eu penso e sinto tb... tantas coisas q acabam e deixam dor no lugar... pq?? nesse domingo o pai de um amigo muito querido morreu... eu naum conseguia entender pq tinha q ser assim, um filho tão jovem perder o pai... e sabe o q aconteceu? na segunda, enquanto o pai dele tava sendo enterrado, ele foi chamado pra trabalhar, primeiro emprego, depois de meses procurando... algumas coisas acabam e outras começam, é a vida... nem tudo pode ser perfeito! só os seus textos aki, heheh! Bjuuss ma chérie!

Ocorreu um erro neste gadget