domingo, março 23, 2008

La Môme



Primeiro, a busca pelas locadoras. Depois, o mercado negro. Bem, e como vcs sabem, qualidade não é ponto forte do mercado negro..então, a primeira tentativa foi frustrada. (o dvd estava ileso..nem uma gravaçãozinha sequer..). Desistir? Jamais! Outro dvd pirata, e finalmente, aos 20 de março de 2008, consegui assistir Piaf - Um hino de Amor.
E toda perigrinação, valeu a pena! Filmaço! Lindo! E triste, como todas as histórias baseadas em fatos reais costumam ser. E, convenhamos, sofrer em francês é muito mais comovente!
O filme conta toda a trajetória da cantora: desde a infância até o auge do glamour e da fama, e por conseguinte, a decadência. Um vida curta, porém intensa. A contradição do nome, Edith nasceu em Belleville, teve uma ifância pobre e descuidada. Foi abandonada pela mãe, que cantava nas ruas e cafés. O pai nesse momento estava na guerra. Aos cuidados da avó, sofreu com sua saúde frágil. Depois, viveu com a avó paterna, dona de um cabaré. Sua infância foi rodeada de bebidas e prostitutas. Teve uma doença que a deixou cega e ela acredita que voltou a enxergar graças ao milagre de Santa Teresa. Começou a cantar ainda pequena, e esse foi o seu sustento por toda a vida. Cantou em ruas, em bares até atingir a fama. Por ser pequenina e ter uma bela voz, foi apelidada pelo seu primeiro "padrinho" por La môme Piaf.. (pequeno pardal) e mais tarde, assumiu o nome artistico Edith Piaf. A vida de Piaf foi de excessos. E por ser marcante, tornou-se inesquecível.
A música é intensa, sofrida. Absolutamente entregue aos sentimentos. E foi assim que ela viveu. Uma vida triste, cheia de acontecimentos trágicos, mas que encontrou na música muita alegria e o motivo pra viver.
A Mario Cotilliard é simplesmente fantástica e mereceu o Oscar de melhor atriz. E, sem dúvida, a cena final é de arrepiar!
Apesar de "La vie en Rose" ser a música mais famosa dela, creio que a melhor música do filme, é essa:



Non, je ne regrette rien..
Não! Nada de nada...
Não! Eu não lamento nada...
Nem o bem que me fizeram
Nem o mal - isso tudo me é igual!

Não, nada de nada...
Não! Eu não lamento nada...
Está pago, varrido, esquecido
Não me importa o passado!

Com minhas lembranças
Acendi o fogo
Minhas mágoas, meus prazeres
Não preciso mais deles!


Varridos os amores
E todos os seus "tremolos"
Varridos para sempre
Recomeço do zero.


Não! Nada de nada...
Não! Não lamento nada...!
Nem o bem que me fizeram
Nem o mal, isso tudo me é bem igual!


Não! Nada de nada...
Não! Não lamento nada...
Pois, minha vida, pois, minhas alegrias
Hoje, começam com você!

4 comentários:

MICHELE disse...

Sulisss, tempo q eu num venho aqui pq vc já escreveu dois posts hehe...ando meio superlotada de coisas pra fazer tbém :)
Olha, é ótimo pq o tempo passa rápido e pra mim isso é essencial já q tô contando os dias pra voltar.
Eu vi essa semana Atonement...massa tbém, e é adaptação de romance inglês...bommm...

Eu sou a Aline! disse...

eu adoro essa musica!

Diegovj disse...

Eu ainda não vi o filme, mas só ouvi coisas boas.
Quanto a atriz, acho que foi merecido só pelo que vi da transformação física...já ficou demais.

Bjão!

Talita disse...

To louca pra ver!!!

Ocorreu um erro neste gadget