sábado, março 08, 2008

Amor.. desejo.. sexo...

Não sei a onde, vi, certa vez, a frase: definir é limitar. Estamos (eu, pelo menos, sempre estou) em busca de definições. O tempo todo queremos definir sentimentos, emoções, comportamentos. Rotulamos as pessoas segundo os nossos critérios. Também podemos nos auto-rotular, em busca de uma própria definição, ou então, numa tentativa de se definir para o outro, fazendo-o ver aquilo que vc quer que ele veja em você.
Natural. Damos nome a tudo. As coisas existem porque sabemos denominá-las, não é mesmo? Pode parecer que não, mas..vamos lá, um exemplo banal e prático: costumamos chamar a depressão, o stress, a síndrome do pânico como doenças da modernidade. Os mais conservadores podem até dizer "antigamente ninguém sofria disso..." ou então, "isso é doença de gente rica.." Mas, será mesmo que essa doença só existe nos tempos atuais? Ou será que muita gente já sofreu desses males mas desconheciam o nome?
É, a rotulação é inevitável. Assim, tentamos rotular e definir tudo que vemos, sentimos.. talvez, assim, seja possível explicar ou entender certos fenômenos.

Já tentei mil vezes definir o que é o amor. Talvez, entendendo-o, eu poderia acreditar. Em um mundo em que "eu te amo" virou ponto final de frases, fica difícil entender o que é o amor. O amor em suas diversas formas, concepções, conceitos, sensações. Afinal, o que é esse tal amor que buscamos tanto, e porque esse amor se transforma em um verbo, uma ação: amar. Parece óbvio, amar é um verbo, uma ação. E a consequência dessa ação, é o amor. Ora.. mas a lógica nem sempre se encaixa na linguagem. Ama-se e a resposta não se parece muito com aquilo que costumamos chamar de amor.

Enfim, quando o Nelson Rodrigues diz que os homens precisam aprender a amar, e que "A maior tragédia do homem ocorreu quando ele separou o amor do sexo." eu me pergunto quando ele soube de fato a diferença e se um dia, esses dois estiveram junto. Em que tempo isso aconteceu? Digo, quando ele decidiu separar? Será que já não eram coisas distintas? Creio que a verdadeira pergunta é: quem associou o amor ao sexo?

São coisas que doem ao serem pensadas e questionadas. Intrigam. Rompem com todo o ideal romântico a que estamos condicionados. Mexe com o ego. afinal, ninguém gosta de se sentir apenas objeto de desejo. E o homem, este que é dotado da inteligência (óóó) de repente, se vê agindo por instintos, irracional.

O conflito amor x sexo, reflete o conflito que vivemos entre separar o "humano", no sentido mais determinista, com um corpo biologicamente estruturado que responde a estimulos, a instintos, a hormônios, terminações nervosas e o ser cultural, que vive em sociedade, que tem regras, que define, que rotula, julga. E por fim, o que é real? A onde está a verdade?

É, a verdade é aquilo que vc quer que seja verdade. Fácil dizer que o problema é que separou-se o sexo do amor, como se esses, um dia, tivessem sido um só. E aí, nos martirizamos por ceder a desejos, buscamos o amor em sua plenitude e não entendemos o nosso próprio corpo, nossas próprias ações. E não amamos porque não sabemos o que é amar. Porque buscamos um ideal, ao invés de entender a nossa própria forma de amar. Queremos nos encaixar nos rótulos.

e assim, "caminha a humanidade", na busca pela felicidade plena, se frustrando, caindo, bebendo e levantando..(tava muito sério esse post!) e se esquecendo de apenas sentir...

"Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento."
Pensar é um ato.
Sentir é um fato.
(Clarice Lispector)

7 comentários:

MICHELE disse...

Sue, qdo vc amar de verdade alguém e essa pessoa te amar, daí vc vai saber o que é...e pq tantas pessoas escrevem sobre, refletem sobre etc etc...
Meus pais pra mim são o meu exemplo. A minha mãe diz que o amor dela pelo meu pai só cresceu durante todos esses anos, e eu particularmente vendo o dia-a-dia creio cada vez mais q o amor do meu pai pela minha mãe é infinito e maior q o dela por ele. Eles são minha inspiração e se um dia eu achar uma pessoa que eu consiga chegar no meu 26o ano de casada e ainda dizer q gosto cada vez mais dela, que gosto mais do que no 1o no...bem, eu terei minha felicidade plena com certeza. O amor verdadeiro existe e eu tenho a'prova no meu próprio teto!

Akinol disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
João disse...

Adorei sua reflexão....
Concordo nas mesmas palavras que vc, mas discordo em uma virgula...esse amor existe...oq a Michele disse, creio seja uma parcela desse amor...Para entende-lo devemos abstrair nossa realidade, ver alem dos olhos, pois não é de fato aqui que ele se encontra...ainda!!!

Bjão

Leonardo Saraiva disse...

ó, no livro "a insustentável leveza do ser", do Milan Kundera, tem umas reflexões legais sobre essa coisa entre amor e sexo. se vc puder ler, presta atenção no personagem Thomas. é só mais um rótulo, mas juntando um monte de rótulos talvez a gente tenha um rotulão!

abraço,
léo do iel

Marília disse...

Olá. Você não me conhece, mas pode passar a conhecer!!!
Estava procurando umas fotos e achei seu blog.
Bem interessante a forma que escreve. Adoro escrever também. E ler!! Muito! Percebi que também é fã de Clarice Lispector. Adoro os livros dela também.
Conhece a Telma Guimarães? Outra autora que admiro.

Bom, resolvi escrever só para deixar o meu alô, e dizer que gostei do seu blog.
Se quiser entrar no meu, é só digitar litllearchive.blogspot.com.
Abraços
Marília

Diegovj disse...

Concordo quando diz que não sabemos amar. Pra isso é preciso colocar o outro na nossa frente, demonstrar evidência, e isso, quero crer, o ser humano não é muito bom em fazer.

Bjos!

Talita disse...

Sobre amor e sexo, gosto da musica da Rita Lee "amor é prosa sexo é poesia" - acho que ela diz tudo de uma maneira bem simples...

Ocorreu um erro neste gadget